Quarta-feira, 27 de Outubro de 2004

O PROCURADOR BOMBO DE FESTA

juljudge.jpg

Faz-me confusão a frequência com que se cristalizam embirrações, fulanizando-se as mesmas, com clímax de síntese, num bode expiatório, justificativo de males que só podem ser mais vastos que o poder do tal fulano que saiu na rifa.

Há dois anos atrás, entre nós, a Justiça parecia andar de melhoras em melhoras. Era até um das instituições mais resguardadas da crítica pública. Quando muito, condenava-se o arcaísmo dos meios e a míngua com que os Orçamentos de Estado lhe distribuíam verbas. Um caso houve, António Costa, em que o político que ali ministrou foi largamente elogiado pela modernização reformista que lhe imprimiu. A Justiça era a instituição pilar do regime mais resguardada da suspeita e que melhor passava no exame da opinião da cidadania.

Até que apareceu o processo da Casa Pia e meteu poderosos. Então, num ápice, a Justiça passou a ser a mais atacada das instituições. De repente, os juízes deixaram de prestar, vieram as suspeitas de cabalas, o segredo de justiça deu direito a rios de tinta, comentaram-se excessos prisionais e de aplicação da prisão preventiva, o Procurador Geral da República levou (e leva) tratos de polé e até gente de compostas maneiras o passou a tratar de “gato constipado”, quase nada ficou com direito à dignidade mínima de existir sem suspeita. Da Justiça, salvou-se a advocacia e os comentadores do múnus judicial, olé.

No meio da bernarda e do chinfrim, os poderosos arguidos regressaram à liberdade enquanto aguardam julgamento, escrevem livros, dão entrevistas e retomaram a vida social. Só lá pena o Bibi de baixa condição social. E as coisas acalmaram.

Acalmaram é como quem diz. Ainda haverá julgamento. Tudo leva a crer que sim. Mas sobrou o Procurador. Que continua a ser zurzido pelo que diz e pelo que não diz. Come por estar calado porque devia falar. Come por falar porque mais devia estar calado. O homem parece não acertar uma. Donde se pode concluir que, a julgar pela forma como o apedrejam, quem o nomeou acertou em cheio num tonto sem o mínimo de capacidade e de senso, um autêntico artolas.

E os abusados? Esquece. Quais abusados? Pedofilia? Nem pensar que seja coisa de gente respeitável e que tão mal tratada foi pelo miserável aparelho policial-judicial que temos. Os arguidos (excepto o Bibi, esse sim, um miserável perverso) passaram a vítimas.

Venha o fim do julgamento para ver se as coisas serenam. Depois, tudo restabelecido na devida ordem, é tempo de termos Procurador que não seja bombo de festa. Voltando a ter boa justiça.
publicado por João Tunes às 00:24
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. COMPLEXOS DE ESQUERDA

. ONDE MEXE MEXIA?

. AGORA

. ...

. SIM, ZAPATERO

. AO MANEL

. DESGOSTO ANTECIPADO

. CHISSANO ARMADO EM SPARTA...

. DOMINGO ANTECIPADO

.arquivos

. Setembro 2007

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds