Terça-feira, 21 de Setembro de 2004

NILO E SINAI (5)

Egipto 588.JPG

O Egipto é um dos países mais importantes e poderosos de África, do mundo de ocupação árabe/muçulmana e do Magrebe. Acresce a sua colocação numa zona nevrálgica de transição de África para o Mediterrâneo, de África para a Ásia, paredes meias com Líbia, Israel, Palestina e Arábia Saudita. Possui o Canal do Suez que assegura a rota entre o Mediterrâneo e o Mar Vermelho/Índico.

Com uma área territorial imensa, a sua população de setenta milhões de almas (devotas de Maomé na sua esmagadora maioria, tanta que quase faz o pleno) concentra-se num enorme T (rodeado de deserto inóspito) formado pelo vale do Nilo (cujas margens com vida humana, animal e vegetal, raramente excedem os cem metros) e a costa mediterrânica. No Cairo, amontoam-se dezoito milhões (!) de egípcios. Em mais de noventa por cento do território reina o deserto absolutamente inabitável.

O Egipto enquadrou-se, desde o poder pré-feudal, dentro do perfil de colónia desejada, tendo sido dominado por quase todas as potências com apetência colonizadora. Julgo que, essencialmente, devido a três factores – o seu posicionamento estratégico, as riquezas naturais e o peso simbólico da sua riquíssima civilização, propícia a gerar quistos de complexos na ideologia de superioridade dos conquistadores. A regra foi sempre a rendição cultural dos ocupantes à força monstruosa e inapagável da civilização acumulada no vale do Nilo. Os colonizadores dominaram, expropriaram, exploraram, mas tiveram sempre de se ajoelhar perante a monumentalidade inapagável daquela herança civilizacional inesgotável. Esse mesmo efeito de continuidade de sublimação da grandeza humana (as mais das vezes pela representação através do absurdo a desafiar todos os limites) levou a que o poder faraónico tivesse sido ocupado, em várias fases, por minorias de etnias, de mercenários ou de ocupantes - núbios, mamelucos e ptolomeicos. Ou seja, até à ocupação romano-cristã, mesmo quando as dinastias egípcias fraquejavam, o mando era sempre usurpado pela continuidade da representação faraónica.

O domínio romano-cristão foi o primeiro que tentou levar a cabo o genocídio cultural da civilização egípcia. Mas a ânsia de impor o monoteísmo e apagar os traços das adorações pagãs revelou-se estulto. Ficaram umas tantas picagens de ridículo impotente nalguns sinais de culto e pouco mais. A tarefa não podia ser cumprida. Tanto mais que os mantos das areias do deserto se encarregaram de proteger a maior parte dos símbolos, cobrindo-os e conservando-os. Assim, estranho paradoxo, o deserto – sempre em luta de posse com o vale do Nilo – mostrou-se com um tremendo fair play, protegendo o inimigo de sempre, oferecendo-lhe as areias protectoras para preservar a cultura criada pelo rio, o rival de sempre e para sempre. Dir-se-á, em ironia, que a Barragem do Assuão – pelo favor feito à progressão do deserto – terá sido o tributo com que Nasser e os soviéticos, na segunda metade do século XX, resolveram pagar a dívida de conservação cultural que o deserto antes havia prestado ao Nilo.

Na posterior ocupação islâmica, bastou o mando e Maomé, semeando mesquitas entre os espaços e as marcas anteriores. O Corão não deitou abaixo pirâmides, limitou-se a abrir as folhas, usando-as como espaldar. Ocupantes prosaicos estes. Até hoje. Sobretudo hoje.

O domínio otomano integrou o Egipto no seu espaço imperial, dando-lhe dignidade subalterna proporcional ao seu valor. Na condição que o Cairo não tentasse disputar a importância a Istambul. Não o fez. Os egípcios dobraram a espinha. A monarquia passou a ser faz de conta. Com os otomanos, depois com franceses e ingleses. Foi assim até Nasser. Porque depois de Nasser, o Egipto volta a entrar na História. Outra história, pois claro. Do velho Egipto colonial, sobrou pouco mais que Faruk, um “rei” tonto derretido em luxúria. O último. Desprezado e escorraçado pelos seus. Exilado com os bens surripiados e aboletando-se à sombra da hospitalidade de Salazar que lhe deu cama e roupa lavada na pátria lusa, a troco dos dinheiros para gastos que ele conseguiu meter na mala e por cá foi espalhando.

(Foto de Pedro Tunes)
publicado por João Tunes às 00:26
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Demter a 21 de Setembro de 2004 às 16:24
Cadê o comentário que eu deixei aqui? O Nilo engoliu?? Não adianta! Onde você for eu vou lhe perseguir. Adoro os seus escritos e alguma coisa me diz que vou gostar ainda mais deste novo blogue. Haja tempo! Mil beijos!


De Werewolf a 21 de Setembro de 2004 às 15:08
Sorry, but I catch you. Abraço, Mário


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. COMPLEXOS DE ESQUERDA

. ONDE MEXE MEXIA?

. AGORA

. ...

. SIM, ZAPATERO

. AO MANEL

. DESGOSTO ANTECIPADO

. CHISSANO ARMADO EM SPARTA...

. DOMINGO ANTECIPADO

.arquivos

. Setembro 2007

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds