Quinta-feira, 17 de Fevereiro de 2005

DOMINGO ANTECIPADO

lthumb.sge.ihh78.070205000948.photo00.photo.default-304x380[1].jpg

Tudo indica que domingo vamos ter uma derrota nítida de Santana Lopes e o PS a olhar atarantado para a maioria relativa que se lhe sentou no colo, sem saber como lidar com ela.

A ser assim, o resultado também será uma derrota de José Sócrates e do PS que escolheu este líder. Porque talvez não volte a acontecer a circunstância de um partido ter um naipe de circunstâncias tão favoráveis como as que se lhe ofereceram no quadro fresco da incompetência máxima a governar que foi esta passagem de Santana Lopes por São Bento.

Merecidos são um e outro castigo. Na medida em que se entenda castigo como forma de punição de pecado. Mas a questão está em saber se interessa punir ou redimir.

Infelizmente, no caso, castigar não é parte da solução. A menos que houvesse hipótese de reedição com ajuste de casting, de dinâmica e, sobretudo, de projectos. Não é o caso. Porque estamos a falar de governação de um país em situação crítica dos pontos de vista da economia, do tecido social e da auto-estima.

Com maioria relativa do PS, impossíveis que são os entendimentos na banda esquerda (só por diletantismo, eles podem ser postos como exequíveis), das duas uma: ou saltamos para um processo de crises sucessivas (e o País aguenta?), ou então a configuração de, com um PSD revisto e liberto das tralhas santanista e barrosista e da aliança com um parceiro pérfido e vampiresco, a reedição de uma fórmula de bloco central (um retrocesso para a ambiguidade geradora de novas crises com o preço de nova descaracterização do PS e que desembocaria no acentuar do mito messiânico de Cavaco).

Pela minha parte, confesso, gostaria que Sócrates e o PS fossem castigados com a maioria absoluta, responsabilizando-os pelas mudanças necessárias. Melhor, absolutamente responsabilizados perante o País. Sem álibis de qualquer espécie e sujeitos a todas as pressões de esquerda. Com a festa possível do castigo adicional e merecido para quem andou armado em Primeiro-Ministro como se isso fosse parecido com ir beber um copo a um bar depois de jantar. Nas alternativas à vista, desconsolo por desconsolo, esta via parece-me a melhor para a esquerda e, sobretudo, para o País. Mas eu só tenho um voto. E não quero mais que este ínfimo poder de cidadania.
publicado por João Tunes às 22:58
link do post | comentar | favorito
|
11 comentários:
De th a 17 de Fevereiro de 2005 às 23:13
AMÉM!...JÁ SÃO DOIS.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. COMPLEXOS DE ESQUERDA

. ONDE MEXE MEXIA?

. AGORA

. ...

. SIM, ZAPATERO

. AO MANEL

. DESGOSTO ANTECIPADO

. CHISSANO ARMADO EM SPARTA...

. DOMINGO ANTECIPADO

.arquivos

. Setembro 2007

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds