Segunda-feira, 17 de Janeiro de 2005

HÁ DEZ ANOS, TORGA VOLTOU À TERRA

3002[1].jpg

Sou de terra de poucos célebres. Porque, por ali, as virtudes e talentos, por regra, amarfanham-se a enterrar o suor na terra. Não havendo míngua de água, parece que, só com suor, muito suor, cada vez mais suor, é que o vegetal se dispõe a germinar e a estender ramos e frutos. E, por isso mesmo, é que sempre achei um espanto que o ali colhido não nos plante sabores salgados na boca. Lá haverá explicação de entendido que, um dia, me explicará como é que o sal do suor das minhas gentes de origem resta na terra sem subir às nervuras botânicas.

Sou de Sabrosa. Como disse, terra de escassas celebridades. Por isso, estimam-se as que nos calharam em sorte feita coisa rara. E acima de tudo, ama-se a maior – Miguel Torga. Que, há dez anos, cumpriu o lugar próprio de uma torga - meteu-se terra dentro, como lhe compete a sua natureza de raiz.

A vida de Torga não foi mais que a de uma torga desenraizada – andou por aí, espalhando poesia, olhares, ralhos, exemplo e actos médicos, até voltar ao seu sítio de condição.

Torga, transmontano-duriense, foi também um viajante perdido de amores por muitas terras. Entendendo outras vozes e outros sentires. Outros seres, mesmo. Amou o Alentejo, como eu gostaria de ter talento e sedução para amar. Mas um transmontano no Alentejo, como ele e como eu (desculpem o atrevimento, mas Torga é meu patrício e, daí, meu igual), perante a planície e a dignidade única dos portugueses que melhor sabem andar direitos, costumamos, pelo menos uma vez na vida, fazer uma prece de lonjura de olhos, pedindo favor de adopção. Eu digo assim, com palavras mal alinhavadas e curtas para o merecimento alentejano. Por isso, como o pretexto é bom, passo a palavra ao meu patrício que soube, como poucos, cantar-nos a terra que trazemos agarrada aos pés:

Alentejo

A luz que te ilumina,
Terra da cor dos olhos de quem olha!
A paz que se adivinha
Na tua solidão
Que nenhuma mesquinha
Condição
Pode compreender e povoar!
O mistério da tua imensidão
Onde o tempo caminha
Sem chegar!...
publicado por João Tunes às 15:25
link do post | comentar | favorito
|
3 comentários:
De Joo a 17 de Janeiro de 2005 às 22:42
Mais uma razão de cumplicidade que folgo em saber. Abraço.


De Werewolf a 17 de Janeiro de 2005 às 20:12
Pequena correcção, se não estou em erro o tal local de onde se tem uma vista magnífica do Douro é próximo de São Martinho de Anta, mas chama-se de facto Galafura.


De Werewolf a 17 de Janeiro de 2005 às 16:09
Meu caro João há alguns anos atrás dei aulas em terras durienses e transmontanas (durante 6 maravilhosos anos). De muitas das gentes que lá conheci guardei a rudeza e a frontalidade, características das pessoas que se metem pela terra dentro e a transformam, ficando sempre esquecidas e desprezadas nos grandes centros urbanos, excepto quando se trata de mendigar o tal votinho.
A paisagem que se avista sobre o vale do Douro de São Martinho de Anta, que visito sempre que posso, ficou-me gravada eternamente na memória. E não há dúvida que não deve haver outra que se identifique tão formente com a personalidade de Torga.
Abraço.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. COMPLEXOS DE ESQUERDA

. ONDE MEXE MEXIA?

. AGORA

. ...

. SIM, ZAPATERO

. AO MANEL

. DESGOSTO ANTECIPADO

. CHISSANO ARMADO EM SPARTA...

. DOMINGO ANTECIPADO

.arquivos

. Setembro 2007

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds