Sábado, 15 de Janeiro de 2005

MATA DOS MEDOS

blog500_zzz_mata02[1].jpg

Há nomes com ressonâncias maiores que os sons e os conteúdos. Porque nos põem a imaginação a acrescentar muito ao real, transformando-o.

O meu querido amigo Victor, reincidindo, voltou a colocar uma das suas belas imagens, como esta, aqui copiada, da Mata dos Medos. Que é uma mata vulgar, bonita como é uma mata, ali para os lados do Cabo Espichel e Aldeia do Meco. Creio até que o melhor que tem esta mata é o nome. O que não é pequeno mérito, diga-se. Isto se fossem elas, as matas, a escolherem os nomes. O que não me parece que seja norma de decisão toponímica por mais avançada que seja a democracia autárquica. Quando, ainda por cima, estas democracias (as autárquicas) costumam preferir a autarcia à democracia. Adiante.

Pois, de cada vez que o Victor, nas suas imagens de poeta vagabundo a procurar o norte na margem sul, nos mostra a Mata dos Medos, eu lembro, com uma ternura que me tornam os olhos macios, a minha ligação com esta Mata. E se o conto é, não tanto para embaciar os óculos, mas sobretudo para homenagear (mil que fossem, que não me cansava a alma) a sensibilidade deste meu amigo e nosso artista. Por isso, eu conto.

Durante anos a fio, os meus passeios de lazer fizeram-se por aquelas bandas, ou seja, no percurso Fernão Ferro – Sesimbra - Cabo Espichel – Aldeia do Meco – Fernão Ferro. Com a tribo encaixotada no móvel, com destaque numerário para a garotada que, amontoada no banco de trás, afastava o tédio das curvas e curvinhas através da jovialidade repartida como é uso entre irmãos e primos mais que irmãos. Na estrada secundária perto do Meco, lá aparecia uma placa indicando um destino terciário – a tal Mata dos Medos. E, passando ali, a garotada calava-se num repente. Depois, a reivindicação ia subindo de tom a exigir desvio para o destino que lhes devia fazer prever bruxas e demónios. Com a mania pragmática de cumprir destinos, avaliada a relatividade da designação, o motorista (eu, por norma) teimava em não desperdiçar desvianços. O que não conseguia mais que acentuar a carga de mistério excitado em cada vez que a placa da Mata dos Medos voltava a entrar pelos olhos dentro. Até que um dia, a vontade da garotada viajante viu cumprida a sua vontade. O desvio foi feito num silêncio de chumbo, os olhos pequenos a espreitarem, medrosos, pinheiros, matagal e as suas ameaças. Na paragem feita, no meio da Mata, foi dar tempo a esvaziar-lhes o medo dos olhos. E, no regresso, escutar-lhes o silêncio da desilusão que havia tomado o lugar do silêncio do medo. Nem uma bruxa ou feiticeiro, pigmeu ou duende, alçapão ou ratoeira, aranha-gigante ou camaleão a imitar dinossauro anão, apenas uma mata como as outras matas. Assim, foi-se-lhes o medo na Mata dos Medos.

Toma nota, amigo Victor, de mais esta dívida que tenho para com o teu blogue. E que me traz de volta a meninice ainda mais pequena da minha tribo comprida e que me dá a grande razão para continuar vivo, umas vezes com medo e outras a passar-lhe ao lado, fingindo não o sentir.
publicado por João Tunes às 00:33
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Vicktor a 15 de Janeiro de 2005 às 19:09
Querido Amigo João. A Costa Azul ficou a partir deste momento com duas dívidas- uma enorme pelo teu excelente texto mergulhando com mestria, uma vez mais, no teu baú de recordações; outra menor, mas que a devem pagar por verem uma imagem daquela bela região a caminhar pelo Mundo , com a Sónia a desejar uma visita. Um abraço amigo.


De Sonia F. a 15 de Janeiro de 2005 às 01:06
Tem muita piada o nome Mata dos Medos. Mais um lugar para descobrir.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. COMPLEXOS DE ESQUERDA

. ONDE MEXE MEXIA?

. AGORA

. ...

. SIM, ZAPATERO

. AO MANEL

. DESGOSTO ANTECIPADO

. CHISSANO ARMADO EM SPARTA...

. DOMINGO ANTECIPADO

.arquivos

. Setembro 2007

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds