Quinta-feira, 13 de Janeiro de 2005

SEMPRE O METEDIÇO DO BOGART...

berg-bogart[1].gif

Os excessos pagam-se. Ou os somatizamos, com os juros da cobardia que nos sai do corpo sem dele querer sair, ou passamos pela vergonha de desfiar arrependimentos e promessas de não reincidência, que são sempre fragilidades expostas, e que são piores que uma perna atropelada em maca de serviço de ortopedia. E tudo que a imaginação arraste, só agrava a situação já de si delicada.

Tive um acesso de ciúme adolescente retardado que aqui estendi. Metendo-me com um dos mais serenos e pacatos (de argúcia) companheiros de bloganço. Ele quis-me gamar a Ingrid, dela se apropriando, e se o sangue ferve, há que aproveitar a onda, donde lhe chamei de tudo e mais alguma coisa. Ameacei-o até. Sempre na linha dos tais fervores adolescentes a tentarem condizer com a disputa do olhar da Ingrid. Porque merecer olhá-la exige pedalada de cavalheiro audaz.

E o doutorando, responde-me olimpicamente: Quanto à Ingrid, controle-se homem, que havemos de fazer senão partilhar com o Bogart aquele olhar?. E eu embucho. Em vez de tirar casaco e gravata, alargar dois furos no cinto, subir mangas de camisa para mostrar músculo, fazer uns pequenos exercícios de pressing aeróbico como treino de intimidação, o companheiro WR, olimpicamente sorriu (não vi mas li) e, altaneiro, propõe-me comunhão com o Bogart na fruição da bela Ingrid.

Acalmei. Que outra coisa podia fazer? Bolas, se ele traz o Bogart como guarda-costas de colação, como me vou aguentar com os dois? Será que a sueca, mesmo belíssima, merece luta tão desigual? Todo feito num oito e a morder o pó, então é que a Ingrid, nem por compaixão, me daria sequer uma moeda de cêntimo tirada das faíscas dos seus olhos únicos. E quem sabe, supremo desprezo, replica uma beijoca mais no sortudo do Bogart (e, nós sabemos, nunca existiram beijos como os do Bogart com a Ingrid, e vice-versa, daqueles que sempre tentámos e nunca conseguimos com a mais quente das nossas namoradas).

E pergunto-me: que pode fazer, perante isto, um cobardola como eu, em estado mais que acobardado? Nada ou muito pouco. Talvez sim. Lembrei-me agora e vou dizer: a Ingrid nunca teria sido Ingrid sem o Bogart. O que, se me exclui da ambição, também tira o WR do relvado. Uff!
publicado por João Tunes às 22:53
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Saphira a 28 de Janeiro de 2005 às 20:13
Queres um Layout novo para o teu blog? Vem ao meu blog, tem lá alguns para escolheres. Bjs
http://saphira.blogs.sapo.pt


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. COMPLEXOS DE ESQUERDA

. ONDE MEXE MEXIA?

. AGORA

. ...

. SIM, ZAPATERO

. AO MANEL

. DESGOSTO ANTECIPADO

. CHISSANO ARMADO EM SPARTA...

. DOMINGO ANTECIPADO

.arquivos

. Setembro 2007

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds