Quinta-feira, 6 de Janeiro de 2005

CALDINHO BASCO QUASE A FERVER

12-1[1].jpg

Por regra, os estratagemas reproduzem-se: quando o PP é governo, saem as bombas da ETA; quando o PSOE gere as tapas, avança a chantagem do PNV.

Este arco de confluência repetitiva pertence às origens da deriva etarra (que foi criada, convém não esquecer, a partir de uma cisão na Juventude do PNV). O PNV sempre foi o representante da burguesia financeira e industrial basca, habituado a mamar hóstias nas missas de um clericalismo serôdio, enquanto conferia extractos bancários e a disfarçar o profundo racismo da tradição e superioridade basca. A ETA foi uma deriva esquerdizante e paranóica, descontente com a propensão do PNV de tudo resolver numa mesa de negócios. No fundo, bem no fundo, o que a ETA acrescentou ao PNV foi a pistolada no lugar da reza do terço. E enquanto os do PNV são compulsivos no deleite com as suas contas bancárias, os da ETA chegam lá através do assalto a bancos. Os manda chuva do PNV pagam o imposto revolucionário à ETA, os etarras fazem a cobrança para comprarem dinamite. Uma comandita, pois são iguaizinhas as raízes reaccionárias, racistas e chantagistas. Em cada bomba rebentada pela ETA, há sempre um cheirinho de água benta aspergida pelo PNV.

A provocação do PNV ao governo Zapatero está a subir de tom. Uma forma de pressão para subir a parada dos privilégios bascos. Porque as pretensões apresentadas colidem com a Constituição. E quando se chega a este ponto, é porque se avalia que o negociante oposto é fraco. Para mais, o PNV sabe bem que apenas está a desencadear uma espiral em que os restantes nacionalismos e separatismos despontem pela Espanha fora, enfraquecendo o Estado, tornando-o mais fraco até ficar refém na concessão de privilégios. E o ponto crítico será quando se disser, preto no branco, aquilo que já está subentendido: a Constituição espanhola aplica-se a Madrid.

E a bola começou a rolar. Desde logo, no acentuar das diferenças bascas. Os de cima a meterem Navarra na Euskadi. Os de Navarra a dizerem: nem pensar e viva o Reino de Navarra. Depois, os catalães à espreita e a representarem a moderação (com o Zapatero amigo a dar-lhes bocados do Arquivo de Salamanca). Enquanto os radicais catalães apregoam a Catalunha com Valência lá metida dentro. E os de Valência: somos o glorioso Levante, não somos catalães. Etc e tal. Mais os andaluzes e galegos a verem no que param as modas. Enquanto as tendências centralistas e autoritárias, metem brasas no lume para atiçar a fraqueza do PSOE e o Rei vai indo à bola e suspirando por netos varões.

E a ETA a deixar ferver o caldo. Até achar que lhe chega a hora, constatando que a Al Khaeda não lhes faz todo o trabalhinho acordado.

A seguir, com atenção e preocupação. Na esperança que Zapatero, embora nada pareça, é mesmo um génio político e solte coelhos guardados na cartola.
publicado por João Tunes às 23:25
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De RN a 7 de Janeiro de 2005 às 00:23
Bom post meu caro. Saúde e força.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. COMPLEXOS DE ESQUERDA

. ONDE MEXE MEXIA?

. AGORA

. ...

. SIM, ZAPATERO

. AO MANEL

. DESGOSTO ANTECIPADO

. CHISSANO ARMADO EM SPARTA...

. DOMINGO ANTECIPADO

.arquivos

. Setembro 2007

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds