Quarta-feira, 5 de Janeiro de 2005

SALVEMOS A

buchholz.jpg

Teclado amigo envia-me o alerta com pedido de ajuda (no caso, frequentá-la):

“A Livraria Buchholz, lugar de referência do nosso (pequeno) universo cultural encontra-se em situação de pré-falência.”

E conta-me um pouco da sua história:

“No início, a livraria estava situada em Lisboa na Avenida da Liberdade e só em 1965 se instalou na rua Duque de Palmela. O interior foi projectado pelo próprio livreiro ao estilo das livrarias da sua terra natal. O espaço estende-se por três andares unidos por uma escada de caracol, com recantos e sofás que proporcionam uma intimidade dos leitores com os livros. A madeira das escadas, chão e estantes torna o espaço acolhedor e agradável. Durante os anos 60, a tertúlia artística lisboeta - entre eles, Escada, Noronha da Costa, Eduardo Nery e Malangatana -, passou pela cave da Buchholz que funcionou como galeria até 1974. Hoje, a galeria continua a ser uma referência cultural com um público fiel que preza o espaço de convívio que a livraria sugere. A selecção dos títulos é vasta e inclui várias áreas: artes, ciência, humanidades, literatura portuguesa e estrangeira, livros técnicos e infantis, na cave funciona uma secção de música clássica e etnográfica. Apesar de não ser especializada em nenhuma área, a secção dedicada à ciência política é frequentada por muitos políticos da nossa praça.”

E lança o apelo:

“Agradece-se a todos quantos a frequentaram que a voltem a visitar. Comprar um livro que não se encontra em mais lado nenhum pode, eventualmente, ajudar a reerguê-la.”

Para mim, foi como um murro no peito, daqueles de suspender a respiração. Pela ameaça de perder mais um lugar de culto onde consumi, e onde, de vez em vez, continuo a consumir, grande parte das minhas orações aos deuses dos livros. E isto, para a minha sensibilidade, é como uma má notícia de ameaça de desgraça sobre um ente a quem as entranhas dos afectos me ligam. E quando a cultura não tiver nada a ver com afecto, desculpem-me a rudeza, a cultura, por muito culta que seja, não passa de uma merda encadernada. Dito, por outras palavras, e mais educadas, fica entregue aos cínicos para eles brincarem com ela, cuspindo-nos em cima.

Há muitos anos que habito a desarrumação da Buchholz, na Duque de Palmela (perto do Marquês de Pombal), escarafunchando livros, com a tranquila paz de que posso desarrumá-la porque tudo está sempre organizadamente desarrumado (ou desorganizadamente arrumado). Ali, sinto-me como na biblioteca de um imaginado amigo que nos passou foral de devassa na intimidade do seu recheio livreiro. Mesmo agora, com o rio a servir-me de muro de distância, e sempre que o salto a Lisboa se impõe, por lá passo, para poder passear por livros e alimentar a utopia de que, numa encarnação qualquer, aquela ainda vai ser a minha biblioteca.

Eu sei quem ameaça de morte matada a Buchholz e outras que tais. Porque, nos mecanismos consumistas da época moderna, também eu frequento a FNAC. Também eu, na inércia da compra das cenouras, das peúgas, dos flocos, das pilhas, dos CDs, da bica tomada em pé, mais o croquete a iludir a barriga, do parque de estacionamento na cave, da pressa, do passar mais que estar, da escada rolante mais o tapete também rolante para o carrinho, deixei a Buchholz e travesti-me de Fnac Man.

Como espairecer este sentimento de culpa? Mezinha não a tenho. Mas quem me queira como companhia, faça-ma na Buchholz. Eu tentarei salvá-la, da maneira que posso - estando lá, passando por lá.

Adenda 1: Segundo o DG da Buchholz, a situação não é tão crítica como foi pintada, embora não negue as dificuldades. Ainda bem que o desastre não está ao virar da esquina. O que não invalida o apelo ao reforço na sua frequência.

Adenda 2: O Jumento partilhou a inquietação e o apelo (o que só demonstra que somos mais que muitos os que nos habituámos a folhear livros na Buchholz), sem falhar a nota de "apesar da antipatia da velha". Tem razão, lá isso tem, mas (talvez pelas dificuldades) contatei, nos últimos tempos, que a alemã, que não deve ter tido dádiva de genes de simpatia, tem adoçado os modos, temperando um bocadinho aquele impeto germânico de ser agreste à beira de marcar passo de ganso, meter-nos um sabonete na mão e mandar-nos tomar banho numa câmara de gás disfarçada de balneário público. Enfim, que seja para desconto no prazer com os livros e com a livraria que arrasta o encanto de uma quente desarrumação.
publicado por João Tunes às 22:40
link do post | comentar | favorito
|
6 comentários:
De IO a 6 de Janeiro de 2005 às 14:46
Ainda bem!, a livraria não vai fechar!!_ IO.


De IO a 6 de Janeiro de 2005 às 12:18
Mau!... como é?, afinal, no 'Público' de hoje o director da livraria nega que o e-mail que recebi e passei aos amigos não diz a verdade e que a livraria está apenas em a 'recuperar de uma fase crítica'?..._IO.


De IO a 6 de Janeiro de 2005 às 12:08
Tenho a sorte de trabalhar perto, e a livraria faz parte de muitas das minhas horas de almoço. Assino em baixo dos que adoram a sua desorganização e dos que (também) vão à fnac... ah, já agora informo que a Bucholz vai alargar por mais uma hora o seu horário de funcionamento. Toca a aproveitar e a ajudar a manter este espaço de cultura!


De Snia F. a 6 de Janeiro de 2005 às 01:19
É precisamente essa arrumação um bocado caótica, ou uma desarrumação arrumada que sempre me fascinou na Buchholz. E o facto de estar a ouvir música enquanto me sento nos pequenos escadotes a folhear livros, até que alguém precise das escadas e me expulse dos degraus.


De Sonia F. a 6 de Janeiro de 2005 às 00:35
Sempre fui uma frequentadora da Buchholz, e desde os meus tempos de estudante que encomendava nessa mesma livraria a bibliografia estrangeira que não encontrava cá. Mas de ano para ano o serviço foi piorando, as entregas demoravam cada vez mais e até mesmo as novidades nas estantes iam sendo cada vez mais raras. Tenho imensa pena que se tenha tornado assim. Continuo a passar por lá, mais pelo hábito (que durou anos) do que propriamente para procurar um ou outro livro. E tenho ainda mais pena por saber que está prestes a fechar as portas. Não é fácil competir com as Fnacs, até porque os preços são mais competitivos e mais acessíveis ao bolso dos portugueses, pelo menos ao meu. Ou mesmo com a Amazon. Mesmo que não exista o prazer de folhear um livro e ler algumas letras antes de o comprar, encomendar pela net vai sendo cada vez mais barato e mais fácil.


De MD a 5 de Janeiro de 2005 às 23:22
Somos todos culpados das Buchholz's desaparecerem. É demasiado fácil comprar livros na Fnac ou noutra parecida, e às vezes é também uma decepção, porque os funcionários da Fnac estão a vender livros como quem vende outra coisa qualquer e nós sabemos que nem toda a gente pode vender livros. Acho que devia ser preciso prestar provas para ser dono ou empregado de uma livraria...


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. COMPLEXOS DE ESQUERDA

. ONDE MEXE MEXIA?

. AGORA

. ...

. SIM, ZAPATERO

. AO MANEL

. DESGOSTO ANTECIPADO

. CHISSANO ARMADO EM SPARTA...

. DOMINGO ANTECIPADO

.arquivos

. Setembro 2007

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds