Segunda-feira, 3 de Janeiro de 2005

TER E SABER

Natal_Londres 184.jpg

Estive em Londres no pico do consumismo – a célebre época dos saldos natalícios. Oxford Street e Regent Street transformam-se, nesta parte do ano, em formigueiros medonhos e sedentos de acederem à miragem de mel das compras em conta, do que se necessita e mais outro tanto por conta da boa conta. Mas diga-se que a fleuma e a disciplina, sem necessidade de imposição, tornam amenos e suportáveis estes excessos controlados. Acaba por só chocar o excesso e a trapaça da encenação comercial na indução ao consumo.

Mas Londres ainda conserva o bom figurino das lojas em desfile da rua, à maneira do que foi, como amostra, a antiga baixa lisboeta. Tirando dois grandes e paquidérmicos Armazéns, a escolha faz-se pelo caminhar avenidas com os olhos em mirada de monstras. Não lhes caiu (ainda?) no goto a febre grotesca e concentracionária dos nossos bem conhecidos centros comerciais (a que, na minha banda, penduraram obscenamente o nome de Fórum). Por outro lado, as compras ainda são actividade reservada a gente adolescente ou adulta, com os londrinos a evitarem transportar as crianças para o tropel das catedrais do consumo. Nem usam as nossas pacóvias peregrinações familiares com a tribo completa desde a avó agarrada à bengala até ao neto de colo, mais o apêndice do carrinho para as pausas do sufoco.

Se queremos ver as famílias londrinas em tribo, criança aos molhos e esfusiantes, então o melhor é rumar-se até aos excelentes museus londrinos, com destaque para o Museu da Ciência e o Museu de História Natural (com entradas gratuitas). Ambos são primores nos recheios, na animação, na tecnologia de interacção, no convite ao prazer inesgotável pelo saber, decifrar mistérios, cultivar fantasias, tentar ter o mundo na palma da mão e procurar ler-lhe os sinais, aprendendo-lhe as ruelas. Pois é, confirma-se, a grandeza tem de ser merecida. Ou um bom mote para o velho falatório sobre a querela acerca do eterno enigma do equilíbrio instável entre o Ter e o Saber.
publicado por João Tunes às 23:56
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Snia F. a 4 de Janeiro de 2005 às 12:32
Os londrinos vivem a cidade, ao contrário dos lisboetas, que infelizmente vivem Lisboa cada vez mais dentro das paredes dos centros comerciais.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. COMPLEXOS DE ESQUERDA

. ONDE MEXE MEXIA?

. AGORA

. ...

. SIM, ZAPATERO

. AO MANEL

. DESGOSTO ANTECIPADO

. CHISSANO ARMADO EM SPARTA...

. DOMINGO ANTECIPADO

.arquivos

. Setembro 2007

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds