Terça-feira, 21 de Dezembro de 2004

SOFRER

0301.jpg

O Altino lamenta-se, mais uma vez, e eu percebo-o. Se percebo. Que bem que percebo.

Mas, meu caro, isto é como tudo. O hábito faz o adepto. Neste caso, também o sofredor.

Claro que depende do ximbaláu. Então ou nos aguentamos no balanço e ficamos com alma de aço ou desistimos. Eu sou dos que não desisto. E acredito que o Altino também não.

Tomei lugar cativo no lugar de culto com a vinda de um célebre poeta de inspiração germânica que nos escaqueirou os altares e as sacristias. Aguentei outros curandeiros que, afinal, conseguiram pior. Até que ganhei a serenidade de me emocionar noventa minutos de cada vez, sacudindo alegrias e tristezas após o apito final. Mas para chegar a essa gestão cardíaca precisei de uma dose de cavalo. E apanhei-a. Sem largar o lugar cativo, até que resolveram demolir a igreja matriz. Para a nova Sé, só para lá caminhei uma vez, mais para conhecer a coisa. Um dia, o cativo voltará quando vir que os rapazes que correm em cima do tapete verde me respeitam como devoto. Por enquanto, guardo distância com terço rezado frente à tv. Continuando a sofrer, fiel à teimosia.

Pois a minha dose cavalar ocorreu um dia quando me meti a caminho da Galiza com uns peregrinos aqui do meu bairro. E o que mais me custou, pela humilhação, foi ver aquela cambada que hoje vê jogos da segunda divisão espanhola, a quererem consolar-me. Já nem eles se estavam a sentir bem com o fartote, o que diria eu. Calhou ir para camarote com uns amigos de Vigo que me iam consolando e já inventavam desculpas que o árbitro estava a ser parcial com as faltas e a favor deles. E eu sem perceber bem o que me estava a acontecer a mais de quatrocentos quilómetros de casa. Limitei-me a ir-me enfiando dentro do kispo vermelhusco e com os olhos estupidamente abertos. No fim, eu e os meus companheiros de infortúnio fomos beber copos para apagar a mágoa céltica. E não é que um sacana de um galego nos olha e faz questão de nos pagar as bebidas, dizendo que não suportava o nosso ar enfiado? Depois foi ver gente emudecida, patrícios que pareciam fantasmas a deambularem pela noite de Vigo, com esporádicos ataques de revolta como de um que se auto-flagelava, puxando-me pela manga do kispo, por ter vindo de Bragança para sofrer aquela desgraça e eu a tentar acalmá-lo com o único argumento de consolação de que tinha vindo de muito mais longe. Pois, desde Vigo, que estou por tudo. Desde que não perca, é claro. E é por isso que percebo o Altino.
publicado por João Tunes às 23:51
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. COMPLEXOS DE ESQUERDA

. ONDE MEXE MEXIA?

. AGORA

. ...

. SIM, ZAPATERO

. AO MANEL

. DESGOSTO ANTECIPADO

. CHISSANO ARMADO EM SPARTA...

. DOMINGO ANTECIPADO

.arquivos

. Setembro 2007

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds