Domingo, 13 de Fevereiro de 2005

IRMÃ LÚCIA

irma_lucia1_dr[1].jpg

Primeiro que tudo, digo que menos uma vida é sempre menos uma vida. E nesta convicção, o princípio só pode rimar com o respeito devido.

A Irmã Lúcia, no meu ver, foi um caso de infanticídio ideológico cometido pelas necessidades simbólicas da fase mais clerical da reacção portuguesa e de que o salazarismo clerical se aproveitou como bandeira, consolidando um embuste até o transformar e impor como um pilar da ditadura do Vaticano. Fátima pertence ao pior da religião católica, porque é a expressão mais redutora da fé religiosa, levando-a à expressão primária da superstição, rebaixando-se, assim, o catolicismo ao nível das religiões que não passaram do mais ancestral que existe na lide com os medos e os desejos humanos.

A Irmã Lúcia e os outros pastorinhos foram, sobretudo, um instrumento de necessidades clericais e, nesse sentido, usados o mais possível como peças da imposição católica. Pagaram caras as visões (ou alucinações) de que quiseram dar testemunho. A máquina de aproveitamento que se montou à volta deles (os pastorinhos), criou uma teia (também negócio) que, para criar uma mística rentável, impôs que pagassem o preço de vidas em esquizofrenia, mais ou menos sublimadas em compensações histéricas, com o prémio único do direito à beatificação e, quiçá, à santidade. E, neste sentido, a Irmã Lúcia é a mártir maior nessa instrumentalização, na exacta medida em que não só viveu mais como viveu bastante. Prisioneira dos seus segredos, a clausura foi a sua forma de vida. A Senhora tirou-lhe o direito a viver.

Curvo-me perante a consumação do direito ao descanso por parte da Irmã Lúcia. Mas não perco o direito à revolta que a ela lhe foi retirado.

Nota: Só faltava agora que, em democracia, alguns políticos procurassem facturar dividendos eleitoralistas na hora de descanso da Irmã Lúcia. Mas, eu sei, tudo é possível. E as hienas dormem pouco.
publicado por João Tunes às 23:12
link do post | comentar | favorito
|
3 comentários:
De Joo a 14 de Fevereiro de 2005 às 23:19
Saravah, Demeter e Isabella.


De IO a 14 de Fevereiro de 2005 às 00:59
Mas não perco o direito à revolta que a ela lhe foi retirado _ muito bem, João!!


De Demter a 14 de Fevereiro de 2005 às 00:56
"Prisioneira dos seus segredos, a clausura foi a sua forma de vida"... Por esta frase já teria valido o seu post. A despeito de um dia ter representado a Irmã Lúcia numa encenação da aparição de Fátima, concordo com você que o preço foi alto. Segredos que ela leva para o túmulo, deixando-nos à mercê das nossas interpretações. Que a morte lhe seja mais generosa que a vida.Um grande abraço cheio de saudade, João (homônimo do meu personagem preferido).


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. COMPLEXOS DE ESQUERDA

. ONDE MEXE MEXIA?

. AGORA

. ...

. SIM, ZAPATERO

. AO MANEL

. DESGOSTO ANTECIPADO

. CHISSANO ARMADO EM SPARTA...

. DOMINGO ANTECIPADO

.arquivos

. Setembro 2007

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds