Sábado, 12 de Fevereiro de 2005

ARTHUR MILLER

deathofasalesman[1].jpg

Durante décadas, Arthur Miller personalizou, em todo o mundo intelectual que detestava a América, a excepção. Ele era o americano bom, a redenção pela esquerda da pátria imperial. Para mais, a direita americana tratava-o muito mal. Quando, em boa verdade, nunca foi mais que um liberal. Aqui, entre nós, pagaria por falta de lastro marxista. Mas, na má América, ele era um próximo de nós. E deu uma mão à Monroe que passou de menina oca à categoria de mulher interessante e foi assim que esta loira bonita de belas pernas, entrou na categoria dos ícones da esquerda. Essa uma das obras de Miller.

Excelente trabalhador de textos, grande dramaturgo. Nunca me esqueceu a Morte de Um Caixeiro Viajante representado no saudoso TEP no Porto, encenado por António Pedro. Um dos grandes momentos de teatro que me foi grato viver. E As Bruxas de Salem, outra grande peça, quantas vezes só lida em sentido único quando ela se aplica, como metáfora, a muitas e variadas situações.

Arthur Miller saiu de cena. Uma grande perda.
publicado por João Tunes às 18:33
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. COMPLEXOS DE ESQUERDA

. ONDE MEXE MEXIA?

. AGORA

. ...

. SIM, ZAPATERO

. AO MANEL

. DESGOSTO ANTECIPADO

. CHISSANO ARMADO EM SPARTA...

. DOMINGO ANTECIPADO

.arquivos

. Setembro 2007

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds