Quinta-feira, 17 de Fevereiro de 2005

O FENÓMENO JERÓNIMO

r2108824052[1].jpg

A revelação-coqueluche desta campanha, em termos mediáticos, é, sem dúvida, Jerónimo de Sousa. E, assim, alguma razão terá Louçã para se queixar da perda de colo nos media.

O relacionamento popular como se o País se tivesse transformado numa Festa do Avante, os fatos de feira de subúrbio, os sublinhados através de ditos e provérbios, o vazio desesperante do discurso melódico-romântico dos ontens que cantaram, o apelo nostálgico à tristeza dos excluídos, a cara larga com sorriso de fivela e a manápula de antigo polícia militar, transformaram-no num estereótipo em que se reconhece na ribalta política aquele canalizador prestável que nos salvou a casa da ameaça de inundação quando uma torneira da cozinha deu o berro. Tornando num facto excitante, para mais numa campanha sensaborona, a proeminência de um dos do povo metido em altas cavalgadas política, à mistura com doutores e engenheiros. E o patético da sua perda de voz em pleno debate só veio realçar esse lado de sociedade recreativa que Jerónimo introduziu na campanha, ou seja, a desigualdade social servida no banquete da alta política. Porque só um pobre cairia ali no estúdio e em directo, derrotado pela afonia. E mesmo um rico gosta de ter pena dos pobres porque precisa disso para salvação da alma (desde que o pobre não lhe exproprie os bens, é claro).

Mas, no fundo, o truque Jerónimo não passa de uma expressão da mais rotunda duplicidade. Porque se a sua imagem simplória passou e passa é porque a marca PCP, que ele levantou à mais alta expressão façanhuda no último Congresso, levaram à expectativa de que dali ia sair agressividade e intolerância. Entrado em campanha, Jerónimo quis fazer passar a imagem do duro dentro do Partido e simpático e tolerante quando desce à rua. Ao fim e ao cabo, uma forma de populismo. Porque deste há de todas as cores e também se pode pintar de vermelho.
publicado por João Tunes às 17:12
link do post | favorito
De Vtor Sousa a 17 de Fevereiro de 2005 às 21:25
Reflexão válida, se bem que não a subscreva. Jerónimo de Sousa parece-me ser genuíno, e não posso sonegar a surpresa que me invadiu ao constatar o nível qualitativo do discurso de um homem que nunca cursou no Ensino Superior. Apesar de estar muito longe de me acoplar ao PCP, e ao Comunismo pragmático, louvo a evolução deste homem. Enalteço os auto-didactas, que olham para o caminho percorrido não com nostalgia, mas como júbilo por verificarem que muito há ainda para calcorrear e progredir.
Um abraço!


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. COMPLEXOS DE ESQUERDA

. ONDE MEXE MEXIA?

. AGORA

. ...

. SIM, ZAPATERO

. AO MANEL

. DESGOSTO ANTECIPADO

. CHISSANO ARMADO EM SPARTA...

. DOMINGO ANTECIPADO

.arquivos

. Setembro 2007

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds